Qual é a diferença entre gêneros e tipos de textos?

Rodrigo de Oliveira Textos de educação

E aí, o que acha de focar alguns minutinhos da sua atenção para relembrar a diferença entre tipos de textos e gêneros textuais? Escrevi de um jeito bem simples (bem descomplicado mesmo) para você sair daqui manjando sobre esse assunto e estar ainda mais preparado para redação do ENEM 2015. Vamos nessa? \o/

Você já reparou que com o tempo todo nós, os seres humanos, estamos comunicando uns com os outros? A necessidade de interagir nos acompanha desde quando ainda estávamos na barriga da nossa mãe, sem ainda saber falar sequer uma palavra. As inúmeras possibilidades de se expressar levaram a uma organização conhecida como gêneros textuais.

Não vou me arriscar a dizer quantos deles existem. São muitos, muitos mesmo! Este post que você está lendo é um desse, por exemplo. Sabe aquela conversa no grupo do Whatsapp que não para de apitar aí do seu lado? É outro tipo. Até as piadas (não estou falando do bullying, hein!) também compõem um gênero textual específico. Enfim: cartas, notícias, resumo, resenha (sim, aquela que você já fez de montão), propaganda, poema, e-mail e por aí vai.

E está enganado se você pensa que eles se restringem somente ao que é escrito. Há ainda os gêneros textuais orais. Uma aula na escola, uma palestra ou debate são todas situações que se enquadram nessa categoria. É possível também uma combinação, um gênero textual misto, abrangendo essas duas possibilidades: escrita e oral.

Mas… o que isso tem a ver com o ENEM 2015?

Sua dúvida é boa e logo respondo que saber distinguir o gênero textual do tipo de texto é meio caminho andado para focar sua atenção naquilo que realmente interessa: se preparar para a prova de redação do ENEM.

Enquanto os gêneros textuais são bem diversos, os tipos de textos são mais definidos e claros e é neles que vamos concentrar nossa atenção. Não existe uma unanimidade entre os gramáticos sobre quantos são os tipos textuais. A maior parte deles considera esses três: descritivo, narrativo e argumentativo. A gramática Houaiss, por exemplo, que é bem conceituada quando o assunto é língua portuguesa, sinaliza para um quarto modo, que recebe o nome de injunção.

Para você conhecer bem os tipos de textos, vamos trazer o significado e a aplicação de cada um deles, olha só:

Descritivo

Uma redação que se encaixe perfeitamente nesse tipo pode ser facilmente identificada se trouxer elementos que descrevam características de uma pessoa (ou qualquer outro ser vivo), de uma cena, ambiente ou mesmo de um objeto. Ao retratar o que observa ou sente, o autor pode apresentar elementos que tornem a redação descrita objetiva.

Um relatório é um bom exemplo de como se aplica esse tipo, porque pode ter um caráter mais técnico, com linguagem direta. Agora, se o autor se encarrega de trazer sua percepção individual sobre aquele mesmo conteúdo, estaremos diante de uma redação descritiva subjetiva (ou seja, que foi produzida a partir de um cenário/ objeto comum, mas com a interferência de sentimento e olhar de uma pessoa específica). 

Injunção

Esse tipo textual é outro que tem sido mais claramente categorizado por especialistas recentemente. Ele é atribuído a materiais que tenham o caráter de orientar o leitor quanto às informações nele descritas, instigando uma tomada de atitude. Basicamente, uma função de persuadir e encadear orientações.

É bem como de identificar esse tipo textual em manuais, por exemplo. Tanto que uma das marcas registradas dele é o uso do verbo no imperativo (faça; desligue e por aí vai). E é fácil imaginar porque tem popularizado o estudo sobre a injunção, certo? Basta ver o crescimento dos aparelhos tecnológicos. Com dispositivos por toda parte, cada vez mais precisamos de orientações precisas sobre como dominar as mais variadas funções existentes. 

Narrativo

O tipo textual narrativo é daqueles que se descobre fácil, fácil. É marcado pelo desenrolar de fatos, personagens e ambiente. Essas ideias são organizadas por um autor, que pode apenas observar a história (narrador-observador) ou participar dela (narrador-personagem).

Normalmente, esse modo é igualmente caracterizado por uma organização temporal dos fatos, sempre com verbos que indiquem uma ação. Não importa, nesse caso, o tempo verbal (ou seja, se ele está no passado, presente ou futuro e assim por diante).

Argumentativo

Esse é o que você deve mais se atentar, porque é o tipo de texto exigido na prova do ENEM. Para que fique bem clara a diferença deste para o demais, observe que uma redação argumentativa é caracterizada por encadear as ideias. Em outras palavras, unificá-las de maneira bem harmoniosa. Isso significa defender um ponto de vista, como se fosse para convencer o interlocutor (quem vai ler o conteúdo) acerca do seu posicionamento do assunto.
A estrutura textual da redação dissertativa argumentativa tem três partes fundamentais, são elas: introdução, desenvolvimento e conclusão. Na primeira parte, temos o compromisso de informar ao interlocutor qual será o tema tratado, para prender atenção dele. O bom desafio aqui é lançar uma isca para que o seu leitor continue interessado no parágrafo que vem na sequência (desenvolvimento). Quando chegamos nessa parte, todo nosso foco deve estar voltado para a argumentação que dará sustância àquilo que você defende. 

Seguindo bem essas duas etapas iniciais, a conclusão (terceira e decisiva parte) irá, rapidamente, retomar a tese inicial — que está mais bem fundamentada com os argumentos que foram trazido durante o texto. A melhor receita para que essa fórmula (introdução + desenvolvimento + conclusão) flua com facilidade é exercitar, pôr a mão na massa (digo, na caneta e no papel). Você pode combinar essas recomendações com outros sete passos importantes para preparar uma redação para o Enem, que já trouxemos aqui no blog.

Estabeleça uma meta semanal de textos, por exemplo, e quando chegar em outubro estará mais afiado para enfrentar a prova de redação. E tão primordial quanto isso é ter uma boa rotina de leitura. Não somente notícias, livros que a escola recomenda a você. Leia livros de ficção, romance, enfim… Isso o ajudará a ampliar o vocabulário e facilitará (muito!) quando estiver diante de uma folha em branco.

Não economize esforços, por favor!

Minha amiga, meu amigo, você sabe bem os desafios que passou ao longo desse ano. Quantas vezes você teve que deixar de lado o jogo de vídeo game, o bate-papo com os amigos? Por isso, redobre seu foco para a redação nessa etapa final. Ela é valiosa e tem um peso importantíssimo para ter um bom desempenho no ENEM 2015. Lembre-se de que todo esse esforço não será em vão! Com sua dedicação e a nossa ajuda, conseguirá ingressar na faculdade que você e seus pais têm planejado.

Um passo importante para isso? Está vendo aquele botão ali em cima escrito “Quero passar”, na cor verde? Faça sua inscrição e fique atento aos conteúdos e novidades que traremos por aqui. Temos total confiança que você pode conseguir!

Vamos debater sobre?