Seus estudos não podem parar. E como incentivo, receba 15% de desconto com o cupom  ESTUDOEMCASA 

Tire todas as suas dúvidas sobre pichação e leia uma redação pronta

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

A pichação é o ato de escrever ou desenhar em muros, edifícios, fachadas, monumentos ou outras superfícies comuns ao espaço urbano usando principalmente a tinta spray. É com mais frequência praticada por pessoas marginalizadas e usada como uma forma de expressão que denuncia a sua realidade social.

Ao longo dos anos, a pichação tornou-se parte de um debate recorrente sobre a degradação da paisagem urbana. Em 1998, passou a ser considerada crime, e é altamente estigmatizada pela população. Quer entender melhor sobre o assunto? Continue lendo, tire suas dúvidas e confira uma redação pronta sobre o tema.

Qual a diferença entre pichação e grafite?

A pichação e o grafite são, ambas, expressões gráficas feitas em muros, paredes ou outras superfícies que compõem a paisagem urbana. No entanto, o grafite costuma ser mais bem aceito pela população em geral. Por quê?

O argumento mais comum é que o grafite tem uma preocupação estética mais evidente, enquanto a pichação seria responsável apenas por vandalizar o espaço. Essa diferença se evidencia pelo fato de que o grafite trabalha, em geral, com imagens, o que demanda mais tempo e uma técnica específica, enquanto o picho trabalha sobretudo com grafias, em geral ilegíveis para a maioria da população.

É importante refletir, no entanto, se essa diferença não estaria associada ao estigma que o picho costuma carregar por ser praticado principalmente por pessoas em situação de marginalidade. Afinal, ao contrário do grafite, o picho nem sempre é uma manifestação clara de uma mensagem, adquirindo contornos de uma “linguagem própria” daqueles que conhecem e praticam essa forma de expressão e parecendo, para os outros, apenas um rabisco.

Por que a pichação é considerada crime?

A pichação é considerada crime de acordo com o artigo 65 da Lei dos crimes ambientais (Lei Nº 9.605/98). Isso porque a pichação, ao contrário do grafite, é entendida como uma manifestação degradadora e, portanto, uma forma de ataque ao patrimônio público ou privado.

Importa considerar, ainda, que a pichação contribuiria para a poluição visual da paisagem urbana e, portanto, também seria visualmente desconfortável. 

Por fim, a pichação carrega o estigma de ser um trabalho sem valor artístico, um “vandalismo”. O parágrafo segundo do artigo 65 da Lei dos crimes ambientais diferencia as duas formas de expressão:

“Não constitui crime a prática de grafite realizada com o objetivo de valorizar o patrimônio público ou privado mediante manifestação artística, desde que consentida pelo proprietário e, quando couber, pelo locatário ou arrendatário do bem privado e, no caso de bem público, com a autorização do órgão competente e a observância das posturas municipais e das normas editadas pelos órgãos governamentais responsáveis pela preservação e conservação do patrimônio histórico e artístico nacional.”

A punição para o crime de pichação varia de 3 meses a 1 ano. Nos casos de pichação em patrimônios históricos ou tombados, o tempo pode ser maior. 

Qual é a intenção da pichação?

É comum acreditarmos que a pichação não é nada senão um rabisco que enfeia a cidade. Mas você já parou para pensar nos motivos que levam uma pessoa a pichar paredes, prédios, monumentos? Por que alguém gostaria de poluir visualmente a cidade? Será que não existe nenhuma outra motivação por trás dessa prática?

Abaixo, apresentamos duas das intenções mais comuns dos pichadores antes de realizar o seu trabalho. Confira!

Protesto social

Pense nas pichações que você já viu espalhadas pela cidade. Para além de assinaturas “ilegíveis”, é comum encontrarmos frases de efeito ou palavras associadas às lutas sociais. 

Isso acontece porque a pichação também pode ser considerada uma maneira de ocupar o espaço urbano para denunciar a realidade da população marginalizada. Pessoas negras, parte da comunidade LGBTQIAP+ ou de regiões abandonadas pelo poder público com frequência recorrem a essa forma de expressão para protestar contra as condições de saúde e segurança, ou os crimes de racismo e LGBTQIAP+fobia.

Não à toa, a pichação ganha mais destaque, no Brasil, durante o período da Ditadura Militar. Nessa época, os manifestantes a favor da democracia não tinham nenhuma preocupação estética, buscando apenas transmitir uma mensagem. 

Manifestação artística

Embora a pichação não seja considerada uma expressão artística, característica que a afasta do grafite, a verdade é que são muitas as variações que ela assume em cada região do Brasil. Isso significa que a pichação adquiriu, com o passar dos anos, diferentes formas e estilos, que podem ser identificados a partir de elementos específicos, como o desenho das letras. É o caso, por exemplo, do letrado baiano, da tag, do throw up ou do bombing, todos estilos distintos entre si.

Com base nessas variações regionais e mesmo entre grupos de pichadores, poderíamos argumentar que existe, sim, uma preocupação estética associada à preocupação social no picho. Desse modo, embora não seja considerado “bonito” pela maioria da população, é inegável que aquelas manifestações cumprem o mesmo papel da arte em geral: fazer com que o público sinta alguma coisa diante da obra.

E-BOOK GRATUITO

Saiba como ter uma rotina de estudos produtiva para manter a motivação e passar no curso dos sonhos!

Redação pronta sobre tema relacionado

Para se inspirar, confira uma redação pronta sobre o tema relacionado “Os desafios para a valorização da arte urbana no Brasil”:

“Darcy Ribeiro, antropólogo e historiador brasileiro, afirma que ‘o artista é o maior responsável por manter viva a cultura de um país’. Essa fala sintetiza a importância da produção artística urbana, que, apesar de seu valor cultural, enfrenta inúmeros desafios no Brasil. Desde a falta de financiamento e apoio governamental até a valorização inadequada dos profissionais da área, os obstáculos são diversos e complexos. 

Em primeira instância, a falta de financiamento é um dos principais problemas enfrentados pelos artistas urbanos no Brasil. Muitos projetos culturais dependem de incentivos fiscais e editais públicos que, frequentemente, são escassos e competitivos. Além disso, a burocracia envolvida na obtenção desses recursos pode desestimular muitos artistas, especialmente aqueles que não têm acesso a informações ou suporte técnico. Consequentemente, muitos talentos são desperdiçados e projetos inovadores deixam de ser realizados.

Em segundo lugar, a valorização inadequada dos profissionais da arte urbana é outro desafio significativo. A sociedade brasileira, em geral, não reconhece plenamente o valor do trabalho artístico, muitas vezes considerando-o como secundário ou dispensável. Essa desvalorização se reflete em baixos salários, condições de trabalho precárias e pouca visibilidade na mídia. Sem reconhecimento e apoio adequados, muitos artistas enfrentam dificuldades para sustentar suas carreiras e desenvolver seu potencial criativo.

Portanto, é crucial que se implementem políticas públicas voltadas para a valorização e o financiamento da produção artística urbana. O governo federal, em parceria com estados, municípios e instituições privadas, deve criar programas de incentivo fiscal, fundos de apoio cultural e campanhas de valorização do trabalho artístico. Um exemplo prático seria a criação de um fundo nacional de apoio às artes, que destinaria recursos para projetos culturais em diferentes áreas, garantindo uma distribuição equitativa e transparente. Este fundo poderia ser gerido por um conselho de especialistas e representantes da comunidade artística, assegurando que as necessidades reais dos artistas sejam atendidas”.

E agora, que tal treinar sua escrita sobre esses e outros temas? Escolha um plano da Imaginie e envie suas redações!

Foto do post: Reprodução/Mínimo/Unsplash

Autor

  • Amanda Tracera

    Mestre em Letras, trabalha com conteúdo digital há 6 anos. É apaixonada por educação e tecnologia e passa o tempo livre com um livro nas mãos.

    View all posts

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

Posts relacionados

[Ebook]

7 dicas para dar um gás nos estudos e aprender mais rápido

Está se preparando para o Enem e demais vestibulares e quer saber como aprender mais rápido? Então este ebook foi feito para você. Nele você encontra 7 dicas quentes para dar um gás nos estudos!

[Ebook]

Melhorando o seu Repertório Sociocultural

Quer melhorar o seu repertório sociocultural, mas não tem ideia de como fazer isso? Então este ebook foi feito para você! Nele você vai encontrar várias fontes para enriquecer sua redação!

  JÁ COMEÇOU!  
22/07
ÀS 18H

Ative o sininho de notificações, participe e receba ao vivo cupons de até  50% de desconto! 
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.

Imaginie para todos: democratizando o ensino de redação no Brasil

Se você é um aluno de escola pública, agora pode estudar para o Enem de graça com a Imaginie. Conheça melhor o projeto Imaginie para todos!

Calendário do vestibular 2021: Confira as datas dos principais processos

Ficou confuso na hora de pesquisar sobre os vestibulares que quer fazer? Teve dificuldade para encontrar as informações? Achou tudo muito desorganizado? Então este calendário é para você!

[Infográfico gratuito]

O que cai
em cada disciplina do Enem?

Você está perdidinho sobre o que estudar para o Enem? Saiba quais são as matérias mais cobradas em cada disciplina neste infográfico gratuito que preparamos para você!

Mapa mental grátis

Decorar as regras de acentuação gráfica não é uma tarefa fácil, certo? Mas ela se torna um pouco mais simples com um mapa mental!

Plano de estudos para o Enem 2020

Quer um guia para se preparar para o Enem 2020? Baixe o nosso plano de estudos gratuitamente aqui!

Mapa mental grátis

Decorar as regras de acentuação gráfica não é uma tarefa fácil, certo? Mas ela se torna um pouco mais simples com um mapa mental!

Folha de redação guiada: produza um texto nota 1000!

Criamos esse modelo de redação guiada com dicas para você acertar na hora de fazer a sua própria produção textual para o Enem 2020!

Como ter uma rotina de estudos produtiva?

Aprenda técnicas para aprender mais em menos tempo!

Faça seu cadastro para receber nossa Newsletter