Tema sobre desigualdade social: saiba discutir

Roberta Rinaldi Dicas de Redação

Estudamos sobre a desigualdade social desde o ensino básico. Infelizmente, o tema não é abordado como algo passado e já resolvido, e isso denota a persistência de um problema grave e urgente. Mas, afinal, você sabe discutir sobre a desigualdade social? Saberia propor medidas para solucioná-la, por exemplo, em uma proposta de intervenção? Pensando nisso, elaboramos este post, com breves abordagens sobre esse assunto para norteá-lo nas produções textuais que demandarem essa questão. Confira:

Conceito: o que é?

A desigualdade social acontece em diversos âmbitos, mas pode ser resumida como a distribuição de renda desequilibrada na sociedade. Graças a ela, uma minoria é detentora de recursos a níveis exorbitantes, enquanto a maioria sofre pela escassez. Assim, dentro de uma mesma sociedade há grupo com distribuição de rendas muito discrepantes.

Fato é que a desigualdade social nunca vai deixar de existir, pois é impossível e impraticável a tentativa de divisão exata dos recursos para cada ser humano, principalmente por vivermos em uma sociedade hierarquizada. Porém, quando essa desigualdade se acentua de forma muito evidente, limitando direitos básicos e essenciais a uma parcela pequena da sociedade, inúmeros problemas passam a também ser acentuados, como deficiências na área da saúde ou da educação.

As desigualdades sociais podem acontecer também em relação à raça, quando são dadas oportunidades diferentes a negros e brancos, por exemplo. Há, ainda, as desigualdade de gênero, quando mulheres ganham menores salários que os homens mesmo que tenham a mesma função ou o mesmo nível de capacitação para a tarefa, ou quando subjuga-se alguém por sua orientação sexual. Além de, também, haver a desigualdade regional, quando percebe-se a valorização e o investimento em determinadas regiões do país em detrimento de outras, como é o caso das grandes metrópoles brasileiras, que concentram o capital de forma acentuada, diferente de tantas regiões do nordeste do país.

Algumas das causas para o problema são:

Governos corruptos, má gestão e distribuição de renda, não investimento em áreas fundamentais (como saúde e educação), assim como em infraestrutura (para moradia, empregos e locomoção, por exemplo).

As consequências são inúmeras, dentre elas:

Fome, desnutrição, doenças, mortalidade infantil, desemprego, criminalidade, marginalização, violência, atraso econômico e instabilidade política.

Dados importantes…

…que expõem um pouco sobre esta realidade.

  • O Brasil é considerado o 10º país com mais desigualdade no mundo, sendo o 4º mais desigual na América Latina. (Dados segundo o Coeficiente de Gini, indicador de concentração de renda de um país).
  • A pobreza no Brasil atinge, hoje, cerca de 28 milhões de pessoas, sendo que nos estados do Norte do Nordeste concentram-se as populações em situações mais precárias do país, portanto, a pobreza do Brasil revela, também, as disparidades regionais devido aos anos de concentração da política e das indústrias no sul do país.
  • É importante ressaltar que os programas de segurança social, como o Bolsa Família, têm assegurado de alguma forma a população.
  • As causas da desigualdade têm um passado histórico relacionado ao processo de colonização, escravidão e, posteriormente, êxodo rural, fatores que acentuaram o quadro de miséria ao longo dos anos.
  • Em 2017, dados do IBGE apontaram que 50 milhões de brasileiros vivem na linha de pobreza. A pesquisa ainda constatou que o maior índice de pobreza é registrado região Nordeste, afetando 43,5% da população.

Possíveis intervenções:

  • Uma forma eficaz de combate à pobreza e à desigualdade é por meio da geração de empregos, para que as famílias possuam renda suficiente para suprir as necessidades básicas para a sobrevivência. O Governo deve aprimorar políticas de combate ao desemprego e à informalidade do setor empregatício.
  • O Governo deve, também, aprimorar os programas assistenciais, para que, de fato, façam a diferença na vida dos cidadãos cuja renda não supre as necessidades básicas.
  • É preciso capacitar os indivíduos, com educação/formação de qualidade, permitindo maiores oportunidades de vida. Esse é um dever do Estado em parceria com as escolas.

Tema para treinar:

FOME E DESIGUALDADE SOCIAL NO SÉCULO XXI

Clicando AQUI, você ainda acessa aos exemplos de redação para analisar diversos pontos de vista.

Compartilhe conosco nos comentários seus argumentos sobre o assunto. O que você faria para modificar esta realidade?

Bons estudos! 🙂

Vamos debater sobre?