Por que e como priorizar a proposta de intervenção?

Rodrigo de Oliveira Dicas para corretor de redação

A proposta de intervenção é um dos maiores desafios dos alunos quando estão diante da prova de redação do ENEM. Até porque esta competência está bem ligada ao desafio que vai muito além do que simplesmente concluir o texto; cabe ao candidato, defender uma ideia e justificá-la. Mas para fazerem isso com propriedade — e conquistarem os 200 pontos possíveis nesta quinta competência exigida no teste — é necessário desenvolver neles o repertório sociocultural, construído ao longo da vida escolar.

E é justamente aí que mora o problema: muitas vezes os alunos chegam para as séries finais do Ensino Médio com essa habilidade menos desenvolvida. Outro bom desafio é a pouca ênfase em prática de texto, o que faz com que eles condicionem que um texto deve ter (tão-somente) começo, meio e fim, confundindo, com frequência, a proposta de intervenção com o ato de encerrar o texto. Se a sua realidade é essa, saiba que não está sozinha ou sozinho! É um desafio presente em várias escolas, mas que é possível de ser solucionado.

Aqui, vamos trazer algumas recomendações possíveis de serem adotadas, pensando em amenizar esse problema em médio e em longo prazo:

Solução que passa por uma ação multidisciplinar: o primeiro passo para desenvolver essa competência nos alunos é tratar do tema com a coordenação pedagógica, aproximando outros professores desse desafio. Afinal de contas, quando se fala em fomentar o repertório sociocultural, estamos dizendo de uma traçar um plano de aulas conjunto, uma vez que a melhoria dessa habilidade representa um ganho para o desenvolvimento do aluno como um todo e não numa disciplina específica.

Preocupação desde as séries iniciais: se sua escola contemplar todas as fases da educação básica, essa preocupação pode ser estendida à coordenação pedagógica das séries iniciais. Estes estudantes serão os candidatos do ENEM do amanhã. Por isso, ações que os apoiem desde cedo, fortalecerá essa bagagem tão necessária que o aluno vá construído para ter mais informações para abastecer o repertório sociocultural, ao longo da vida escolar.

Identifique ações de grande impacto nos alunos: muitas vezes, saber quais atividades podem despertar o interesse em ampliar esse repertório nos alunos torna mais fácil o repasse informações (e amplia o engajamento deles). Nós fizemos um post específico, que demonstra uma sequência didática sugerida para desenvolver a proposta de intervenção nos alunos. Isso passa por busca de soluções como rodas de leitura, cinema na escola e prática de texto — alternativas de fácil acesso ao contexto escolar.

Desmistificar a proposta de intervenção: outro meio de fortalecer esse ponto nos alunos é alinhar com eles o que se espera dos candidatos nesse quesito. Muitas vezes, essa competência é vista como uma coisa de outro mundo, quando na verdade trata-se de trazer ao texto uma proposta que tenha conexão com os argumentos desenvolvidos ao longo da redação. Para facilitar a compreensão deles no tema, instigue-os a questionar: “O que a sociedade pode fazer para resolver esse problema”/ “Como viabilizar isso”. Ao ter em mentes essas questões, fica mais fácil não cair na armadilha de propor soluções genéricas ou, então, que vão contra os direitos humanos (motivo pelo qual uma redação pode ser anulada por inteiro).

Esperamos que você tenha gostado desse conteúdo e que possa ajudá-lo em sua grande missão. Continue ligado aqui no blog que traremos mais conteúdo que o ajudarão no desafio de desenvolver os alunos, preparando-os para elaborar uma ótima proposta de intervenção na prova do ENEM.

Até a próxima!

Vamos debater sobre?