Seus estudos não podem parar. E como incentivo, receba 15% de desconto com o cupom  ESTUDOEMCASA 

Entenda a miscigenação no Brasil e os seus efeitos na sociedade

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

Você com certeza já ouviu dizer que o  Brasil é um país rico e muito miscigenado. Mas você sabe o que a miscigenação significa? 

O processo de miscigenação brasileira teve início no século XVI, mas ainda traz uma série de consequências para a nossa sociedade. Além disso, o conceito é fundamental para compreendermos questões mais complexas, como o racismo e até a Lei de Cotas das universidades. 

Quer saber mais? Continue lendo e tire todas as suas dúvidas!

O que é miscigenação?

A miscigenação é, de modo geral, um sinônimo para “mistura”. Por isso, pode se referir a qualquer tipo de mistura de elementos diferentes. Ainda assim, no Brasil, é muito comum que esteja relacionada à combinação de etnias diversas, que originam uma outra, com características próprias.

É importante esclarecer que a miscigenação étnica não é a mesma coisa que a miscigenação cultural: a primeira diz respeito à mistura de etnias e, portanto, não pode acontecer entre duas pessoas com a mesma cor de pele; a segunda, no entanto, diz respeito a hábitos e crenças de diferentes regiões, e pode acontecer entre pessoas com a mesma cor de pele.

Em países colonizados, como é o caso do Brasil, é comum que a miscigenação seja uma característica marcante da cultura. Aqui, ela passou a ser um elemento-chave para entendermos e questionarmos a realidade social brasileira e alguns privilégios relacionados à raça, como por exemplo, o acesso à educação.

Por que o Brasil é considerado um país miscigenado?

O Brasil é considerado um país miscigenado porque, devido ao processo de colonização, reuniu em seu território etnias diversas, que se misturaram entre si, dando origem a novos grupos étnicos — os pardos, por exemplo. Além disso, diferentes culturas também se reuniram em solo brasileiro, e dessa mistura surgiu o que hoje chamamos de cultura brasileira – que mistura elementos de diferentes países.

A mistura étnica teve início com a colonização do Brasil pelos portugueses, no final do século XV. Em decorrência da relação entre estes e as mulheres indígenas brasileiras, nasceram os primeiros brasileiros de etnias misturadas. Mais tarde, no século XVI, o mesmo aconteceu com as mulheres escravizadas trazidas da África.

A mistura cultural também teve início durante essa época, mas se intensificou ainda mais a partir do século XIX, com a chegada de um grande número de imigrantes da Itália, Alemanha, Espanha e Líbano. Com a Segunda Guerra Mundial, o país também recebeu muitos japoneses.

Quais são os tipos de miscigenação brasileira?

De modo geral, a miscigenação étnica brasileira se deu a partir da mistura entre três etnias: os povos originários (indígenas), os europeus, sobretudo portugueses (brancos) e os africanos trazidos pelo tráfego de escravos (negros).

Em relação à cultura, a mistura brasileira reúne elementos de muitos países: Portugal, mas também Espanha, Guiné, Angola, Congo, Itália, Alemanha, Líbano e Japão. Como consequência, nos tornamos um país de religiões diversas, costumes bem diferentes, e expressões artísticas que variam muito de uma região para a outra.

De acordo com dados do IBGE, as etnias do Brasil podem ser divididas da seguinte maneira na nossa população:

Fonte: IBGE

Confira as porcentagens detalhadas da distribuição étnica da população:

  • Brancos: 47,7%
  • Pardos: 43,1%
  • Negros: 7,6%
  • Amarelos: 1,1%
  • Indígenas: 0,4%

Quais as consequências da miscigenação?

Embora a miscigenação seja um processo natural, ele também traz diferentes consequências para um país, nem todas positivas

Por um lado, sim: a miscigenação amplia a nossa cultura, possibilita acesso a diferentes modos de pensar e de viver e faz com que o Brasil se torne mais rico. 

Por outro lado, no entanto, a mistura de diferentes etnias também gera problemas de compatibilidade genética — por exemplo, índices mais altos de anemia falciforme, como apontam as pesquisas da FAPESP. Outra consequência negativa é a exclusão de alguns grupos étnicos, como acontece com negros e indígenas no país.

Qual a relação entre a miscigenação e o racismo?

A miscigenação está atrelada ao racismo desde que surgiu, como efeito do processo de colonização brasileira. Não só os povos indígenas e de etnia negra foram privados de direitos básicos no Brasil, eles também eram considerados “inferiores” pelos brancos europeus. 

Apesar de os europeus manterem relações (nem sempre consensuais) com mulheres de outras etnias, os filhos gerados a partir dessas relações eram considerados bastardos e também não recebiam direitos básicos — na maioria das vezes, sequer eram reconhecidos. 

Essas noções contribuíram para aumentar a exploração dessas outras etnias, o que criou, no país, uma distância acentuada de oportunidades, mantida até hoje. O racismo pode ser observado não apenas nas atitudes racistas de uma parcela da população, mas também nas políticas que privam negros, pardos e indígenas de ter acesso a condições de vida melhores.

Para observar essa diferença, basta notar a etnia de quem ocupa as posições de poder na sociedade e de quem costuma realizar trabalhos braçais, viver em comunidades e realizar atividades ilegais, muitas vezes como única forma de sobrevivência.

Como a miscigenação se relaciona com a política de cotas?

De acordo com o Ministério da Educação, a Lei de Cotas (Lei Nº 12.711, de 29 de agosto de 2012) contempla critérios de renda e etnia

No segundo caso, o sistema de cotas estabelece, por meio da Portaria Normativa nº 18, de 11 de outubro de 2012, que deve ocorrer a reserva de um número de vagas proporcional à soma de pretos, pardos e indígenas da população da Unidade de Federação local.

A medida, colocada em prática a partir de 2013, visava reduzir as desigualdades sociais causadas pelo racismo ao longo da história do Brasil. A relação com a miscigenação se evidencia porque essas desigualdades são uma herança do processo de colonização e das medidas adotadas naquela época para impedir que não-brancos tivessem acesso a direitos humanos básicos.

No entanto, o debate sobre a política de cotas incluir critérios étnicos se baseia na ideia de que, por causa da miscigenação, seria impossível determinar que um brasileiro é “branco” ou “negro” ou “pardo” com base apenas na sua cor da pele

Essa argumentação ignora, no entanto, que os efeitos do racismo não levam em consideração o histórico familiar das pessoas, mas sim a cor da sua pele — o que significa que, embora uma pessoa de pele branca possa ser, na verdade, parda, ela ainda enfrentará menos discriminação que uma pessoa de pele parda ou negra.

Ainda assim, é importante pontuar que os debates acerca das cotas são fundamentais para repensar os benefícios dessa medida e possíveis formas de torná-la ainda mais inclusiva.

Agora que você já entende um pouco mais sobre miscigenação no Brasil, que tal fazer uma redação com esse tema? Conheça os planos da Imaginie e envie a sua redação para os nossos corretores!

Foto do post: Reprodução/Gustavo Nacht/Unsplash

Autor

  • Amanda Tracera

    Mestre em Letras, trabalha com conteúdo digital há 6 anos. É apaixonada por educação e tecnologia e passa o tempo livre com um livro nas mãos.

    View all posts

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

Posts relacionados

[Ebook]

7 dicas para dar um gás nos estudos e aprender mais rápido

Está se preparando para o Enem e demais vestibulares e quer saber como aprender mais rápido? Então este ebook foi feito para você. Nele você encontra 7 dicas quentes para dar um gás nos estudos!

[Ebook]

Melhorando o seu Repertório Sociocultural

Quer melhorar o seu repertório sociocultural, mas não tem ideia de como fazer isso? Então este ebook foi feito para você! Nele você vai encontrar várias fontes para enriquecer sua redação!

  JÁ COMEÇOU!  
22/07
ÀS 18H

Ative o sininho de notificações, participe e receba ao vivo cupons de até  50% de desconto! 
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.

Imaginie para todos: democratizando o ensino de redação no Brasil

Se você é um aluno de escola pública, agora pode estudar para o Enem de graça com a Imaginie. Conheça melhor o projeto Imaginie para todos!

Calendário do vestibular 2021: Confira as datas dos principais processos

Ficou confuso na hora de pesquisar sobre os vestibulares que quer fazer? Teve dificuldade para encontrar as informações? Achou tudo muito desorganizado? Então este calendário é para você!

[Infográfico gratuito]

O que cai
em cada disciplina do Enem?

Você está perdidinho sobre o que estudar para o Enem? Saiba quais são as matérias mais cobradas em cada disciplina neste infográfico gratuito que preparamos para você!

Mapa mental grátis

Decorar as regras de acentuação gráfica não é uma tarefa fácil, certo? Mas ela se torna um pouco mais simples com um mapa mental!

Plano de estudos para o Enem 2020

Quer um guia para se preparar para o Enem 2020? Baixe o nosso plano de estudos gratuitamente aqui!

Mapa mental grátis

Decorar as regras de acentuação gráfica não é uma tarefa fácil, certo? Mas ela se torna um pouco mais simples com um mapa mental!

Folha de redação guiada: produza um texto nota 1000!

Criamos esse modelo de redação guiada com dicas para você acertar na hora de fazer a sua própria produção textual para o Enem 2020!

Como ter uma rotina de estudos produtiva?

Aprenda técnicas para aprender mais em menos tempo!

Faça seu cadastro para receber nossa Newsletter