O que é regência verbal e nominal - fotografia de uma sala de aula. À frente do quadro negro e de frente para a foto está a professora com um livro na mão. De frente para a professora estão três alunos sentados nas carteiras.

O que é regência verbal e nominal e quais são as regras?

Roberta Firmino Dicas de português

Quando vai produzir um texto, você costuma ficar com dúvidas em relação à crase? Já estudou todas as regras e mesmo assim comete alguns erros? Calma! Muita gente passa por esse tipo de situação. E muito provavelmente seu problema está na compreensão da regência verbal e nominal. 

Então, neste post você irá aprender tudo o que precisa sobre a regência de termos de uma oração e como saber se eles exigem ou não preposição. Assim, se for necessário, você saberá como usar a crase corretamente e, consequentemente, não será penalizado quanto à norma culta! Confira:

O que é regência verbal e nominal?

A regência verbal e nominal é uma relação de interdependência entre termos visando uma oração com sentido mais específico e completo.

Por exemplo, quando alguém diz “as estratégias…”, espera-se que essa pessoa complete a ideia. Afinal, ela está falando sobre estratégias de quê?

Então, já sabemos que esse termo exige a presença de um outro para que se complemente, certo? Por isso, ele é chamado de termo regente ou subordinante.

Pensando nisso, podemos completar a oração da seguinte forma:

“as estratégias de ensino devem ser pensadas de forma criativa pelos educadores.”

Nesse caso, “ensino” está complementando a frase, certo? Por isso, ele é chamado de termo regido ou subordinado.

Pronto! Passamos pela primeira fase. Agora, vamos entender as diferenças entre regência verbal e nominal.

Banner de divulgação da Comunidade Imaginie com link para: https://conteudo.imaginie.com.br/comunidade-imaginie-enem-vestibular-redacao?utm_source=blog&utm_medium=banner&utm_campaign=blog-post

O que é regência nominal?

Sempre que o termo regente for um substantivo, adjetivo ou advérbio (um nome), estamos falando de regência nominal. Nesse caso, é necessário o uso de  preposição entre o termo regente e o termo regido.

O exemplo que citamos no tópico anterior trata-se de um caso de regência nominal! Então, vamos continuar com ele para você entender melhor:

“as estratégias de ensino devem ser pensadas de forma criativa pelos educadores”

Já vimos aqui que:

  • estratégias é o termo regente;
  • ensino é o termo regido.

Logo, a preposição é o termo “de”, que serve justamente para conectar os dois elementos garantindo o entendimento da oração.

Na regência nominal, as preposições podem ser utilizadas de forma simples, contraídas ou combinadas com artigos ou pronomes. As preposições mais comuns em nesse caso são:

  • de;
  • para;
  • a;
  • com;
  • em;
  • por.

Vamos conferir mais um exemplo?

“Ela se sentiu apaixonada pelo parque”

  • Termo regente: apaixonada
  • Termo regido: parque
  • Preposição: pelo (contração de “por”+“o”)

O que é regência verbal?

Quando o termo regente é um verbo, estamos falando de regência verbal. Porém, nesse caso, pode haver ou não o uso de uma preposição.

Se há a intermediação de uma preposição entre o termo regente e o seu complemento em um caso de regência verbal, o termo subordinado é chamado de objeto indireto e, o subordinante, de verbo transitivo indireto. Caso contrário, o termo regido é chamado de objeto direto e o regente de verbo transitivo direto.

Regência verbal com preposição

Como você viu, quando o verbo é transitivo indireto, significa que é obrigatória a presença de uma preposição para estabelecer a regência. O objeto que vem depois é, portanto, indireto. 

Para saber se objeto é indireto, a pergunta para encontrar o complemento do verbo deve ser “de quê”, “para quê”, “de quem”, “para quem” ou “em quem”. Assim, o termo regido deverá vir acompanhado da preposição e, em seguida, o artigo, se preciso for.

Para ficar mais fácil de entender, vamos aos exemplos! 

“Ele afirmou não se lembrar da conversa.”

Nesse caso,

  • Termo regente: lembrar (verbo transitivo indireto)
  • Termo regido: conversa (objeto indireto);
  • Preposição: da (contração de “de” + “a”) 

“A menina não respondeu à pergunta.”

  • Termo regente: respondeu (verbo transitivo indireto).
  • Termo regido: pergunta (objeto indireto)
  • Preposição: à (contração da preposição “a” + artigo “a”)

Para ficar mais fácil, separamos alguns exemplos de preposições utilizadas em regência verbal. Confira:

  • a;
  • ante;
  • até;
  • após;
  • de;
  • desde;
  • em;
  • entre;
  • com;
  • contra;
  • para;
  • por;
  • perante;
  • sem;
  • sobre;
  • sob.

Agora, veja alguns exemplos de contração de preposição:

  • à (a+a);
  • ao (a+o);
  • do (de+o);
  • das (de+as);
  • destes (de+estes);
  • no (em+o);
  • numa (em+uma);
  • pela (por+ela).

Regência verbal sem preposição

Para saber se a oração que você está analisando se trata de uma regência verbal sem preposição, ou seja, com objeto direto, a pergunta para o termo regente ou seja, o verbo será “o quê” ou “quem”.

Assim, o termo regido será acompanhado apenas por artigo quando for necessário.

Confira os exemplos:

“Ele fez o trabalho com antecedência, por isso tirou nota boa”

Nesse caso,

  • Termo regente: fez (verbo transitivo direto)
  • Termo regido: trabalho (objeto direto)

“Ela quer um acessório novo.”

Assim,

  • Termo regente: quer (verbo transitivo direto)
  • Termo regido: acessório (objeto direto)

Nos casos acima, os temos “o” e “um” são artigos, ou seja, palavras que se antepõe ao substantivo com a função de particularizar ou indefinir o nome. 

Deu para entender o que é regência verbal e nominal? Espero que a gente tenha te ajudado! Se você quiser continuar aprendendo, produzimos também este artigo sobre utilização da crase. Confira!

Vamos debater sobre?