O guia completo da redação

Roberta Firmino Dicas de Redação 0 Comments

Algumas pessoas têm mais facilidade e outras mais dificuldade no processo de construção de um texto. Porém, criar uma redação nota 1000 não é impossível para ninguém!

Conhecendo os diferentes tipos e gêneros de redação, quais práticas você deve adotar para desenvolver um bom texto e como você deve estruturá-lo, é perfeitamente possível virar um craque nessa tarefa.

Por isso, preparamos este guia com tudo o que você precisa saber sobre o que é redação, quais tipos existem, como ela é cobrada em diferentes vestibulares, dicas para desenvolvê-la da melhor forma e muito mais! Vamos lá? 

Índice

O que é redação?
O que caracteriza uma redação?
Qual é o objetivo de uma redação?
Como uma redação pode ser classificada?
Qual é a estrutura de uma redação?
Como estudar redação?
Como fazer uma boa redação para passar no vestibular?
Como desenvolver uma boa redação?
O que é estética textual e por que ela é importante?
Quais são os principais erros de redação?

O que é redação?

A redação é um processo de escrita com o objetivo de expressar algo. Ou seja, é a estruturação de um texto, por meio da conexão coesa entre palavras e os demais elementos gramaticais, com o objetivo de transmitir um pensamento a alguém.

Para que uma redação faça sentido e atinja o seu objetivo, você precisa lançar mão de algumas práticas que garantam o encadeamento de ideias de forma lógica e compreensível.

Algumas delas são, por exemplo, a utilização de conectivos, a realização de uma acentuação adequada das palavras, o entendimento acerca das normas cultas da língua portuguesa, etc.

Essa forma de se expressar existe desde a invenção da escrita, lá por volta de 4.000 a.C, e hoje é a principal ferramenta de trabalho para muita gente: jornalistas, escritores, publicitários, roteiristas, dentre muitas outras profissões.

Mas saber o que é redação e como desenvolvê-la não é essencial apenas para quem escolheu uma profissão em que a produção textual está muito presente. Afinal, a escrita é uma atividade presente no dia a dia de todo mundo. Quer alguns exemplos? 

Você está produzindo uma redação quando:

  • está fazendo um resumo dos seus estudos;
  • está respondendo uma questão dissertativa para uma prova;
  • está produzindo uma thread para o Twitter;
  • e até quando está fazendo aquele textão para o Facebook! 

Gif de um cachorro digitando uma redação. Ele está com uma expressão de raiva.

E além de tudo isso, saber como fazer uma boa redação é essencial se você está estudando para algum concurso, Enem ou outro vestibular! Afinal, a produção de um texto é uma das exigências e, em grande parte das vezes, tem um grande peso na nota final dos exames.

Então, bora entender melhor sobre essa atividade tão importante?

O que caracteriza uma redação?

As características específicas de uma redação dependerão do tipo e do gênero textual em que ela se encaixa, os quais nós vamos abordar mais para frente. Se você está escrevendo uma carta, por exemplo, que possui uma proximidade com um leitor e uma estrutura específica, não poderá publicá-la como uma notícia em um jornal, certo? 

Porém, é necessário ter em mente a importância de as partes de um texto, seja ele qual for, se encaixarem e serem complementares entre si.

Afinal, se um trecho da sua redação entra em contradição com outro logo adiante, por exemplo, a sua redação não está cumprindo a sua função de transmitir um sentido para o leitor. 

Ao contrário: ela irá confundí-lo. Portanto, esta é uma característica que pode ser aplicada a qualquer tipo de redação: a transmissão de um sentido através da organização coesa do texto. Isso é necessário para que ele cumpra o seu objetivo e impacte quem está lendo.

Qual é o objetivo de uma redação?

O objetivo de uma redação é definido a partir do propósito do autor ao redigi-la e do gênero textual em que ela é escrita.

No caso de uma redação dissertativa-argumentativa, por exemplo, que é a exigida pelo Enem, o objetivo é convencer o leitor da tese apresentada por meio de uma boa argumentação.

Já quando falamos de um editorial, o objetivo é informar o leitor acerca do posicionamento de determinado veículo de comunicação sobre um acontecimento.

Um manual de instruções tem o objetivo de orientar um usuário sobre como manusear determinado equipamento, montar um objeto ou desenvolver qualquer outro tipo de ação.

Agora, se o objetivo de sua redação é ensinar alguém a fazer um alimento, você estará produzindo uma receita.

Entendeu? O ideal é que você entenda qual é o objetivo de sua redação e em qual gênero textual ela se encaixa antes de começar a produzi-la. Assim, será possível estruturá-la e desenvolvê-la de modo a impactar o seu leitor da forma como você deseja!

Como uma redação pode ser classificada?

É comum as pessoas confundirem os tipos de texto com os gêneros textuais. Mas essas duas classificações não representam a mesma coisa! Entenda, agora, o que quer dizer cada uma delas.

Tipos de texto

Um determinado tipo de texto diz sobre a sua estrutura e o seu objetivo. Os tipos são limitados e a maior parte dos gramáticos consideram três deles: o descritivo, o narrativo e o argumentativo.

Porém, alguns autores também abordam mais um tipo de texto: a injunção. Nós vamos explicar detalhadamente sobre cada um abaixo.

1. Descritivo

A redação do tipo descritivo é aquela que apresenta as características de algo, podendo ser uma pessoa, uma cena, um objeto, etc.

O texto descritivo pode ser:

  • objetivo, quando o autor apenas retrata algo;
  • subjetivo, quando são apresentadas as percepções do autor.

2. Narrativo

Para entender o que são os textos narrativos, basta se lembrar dos livros que contam histórias! Esse tipo é aquele que apresenta uma sequência de fatos, contém personagens e um ambiente.

O narrador desse tipo de texto pode ser:

  • observador, quando apenas observa e não está inserido na história;
  • personagem, quando participa dela.

3. Argumentativo

Muita atenção para esse tipo de redação: ele é o exigido pelo Enem e diversas outras provas importantes, dentre vestibulares e concursos.

A redação do tipo argumentativo é aquela que apresenta um encadeamento de ideias de forma coesa e defende um determinado ponto de vista sobre um tema, com o objetivo de convencer o seu leitor.

4. Injunção

Por último, a injunção é um tipo de texto sobre o qual tem se falado mais nos tempos recentes. Ele classifica as redações que têm o objetivo de orientar o leitor e estimulá-lo a tomar uma decisão, como é o caso dos manuais de instrução.

Agora que você já entendeu quais são os tipos de redação existentes, vamos partir para os gêneros textuais!


Gêneros textuais

Diferente dos tipos de redação, os gêneros textuais são classificações feitas a partir da linguagem e do conteúdo de uma redação.

Por isso, eles são muito diversos! Afinal, os gêneros textuais possuem o papel social de adequar a linguagem a um contexto específico

Assim, eles também podem ser modificados ao longo do tempo, mantendo características essenciais e transformando elementos para estarem de acordo com determinadas situações.

Já deu para perceber que não dá para falarmos sobre todos os gêneros textuais aqui, certo? Mas vamos falar sobre alguns bastante importantes para você!

1. Resumo

Se você é um estudante, provavelmente já está habituado a esse gênero textual. Os resumos têm o objetivo de sintetizar textos maiores ou até mesmo outros tipos de comunicação, como um filme ou uma aula, por exemplo.

Quando se trata do resumo de um texto, você deverá fazer uma leitura completa, analisar os principais pontos e colocar, com suas palavras e usando menos linhas, o que de fato é essencial para que o leitor entenda o que ele está querendo transmitir.

Gif de uma personagem da série Gilmore Girls escrevendo em um caderno.

2. Resenha

Muita gente confunde a resenha com o resumo, mas os dois não são a mesma coisa!

Na resenha, você irá descrever, de forma sintetizada, uma obra ou acontecimento cultural, convidando o leitor a conhecê-lo. Diferente do resumo, nesse gênero textual você deverá fazer uma análise e um julgamento (de verdade ou de valor) sobre a obra ou o acontecimento de que está falando.

3. Editorial

Se você tem o hábito de ler revistas ou jornais, provavelmente já viu esse gênero textual por aí.

O editorial é um gênero bastante comum nesses tipos de mídia, principalmente quando elas são impressas, e ele tem o objetivo de relatar um fato e expor uma opinião. 

Por isso, o fato é apresentado a partir da visão do repórter, expondo a posição da mídia e, portanto, não sendo assinado por nenhuma pessoa específica.

Porém, como já dissemos que os gêneros textuais não possuem uma estrutura tão fixa quanto os tipos de texto, pode ser que você já tenha encontrado por aí algum editorial assinado por seu autor. Isso não é um erro! Depende do que a mídia pretende passar com o texto.

4. Crônica

A crônica é um gênero textual curto, com características de narrativa e trata de acontecimentos do cotidiano, geralmente conectada ao contexto histórico em que é produzida.

Ela tem uma linguagem bem próxima do público, despretensiosa e simples, estando presente em meios de comunicação — jornais, revistas, etc —, como também é o caso do editorial.

5. Carta

Também conhecida como correspondência, a carta é um dos meios mais usuais de comunicação atualmente. 

Você pode estar se perguntando: mas quem é que usa carta hoje em dia? 

Gif de uma mulher lendo uma carta.

Bom, você se lembra que citamos que os gêneros textuais podem mudar com o passar do tempo? A carta é um exemplo disso! Com o advento da tecnologia, esse gênero textual passou a ser utilizado e transmitido na forma de e-mail.

A principal característica de uma carta é que ela possui um remetente (a pessoa que está enviando a mensagem) e um destinatário (para quem a mensagem é direcionada). Ela é dividida em:

  • cabeçalho, em que você insere a data e o local em que está escrevendo;
  • vocativo;
  • texto;
  • despedida e assinatura.

Existem diferentes tipos de carta, e um que é comumente exigido em concursos é o da carta argumentativa. Nela, você deve seguir a estrutura que mencionamos acima e a norma culta da língua portuguesa, além de apresentar uma tese e defendê-la através de argumentos, tentando convencer o seu leitor.

Qual é a estrutura de uma redação?

A estrutura de uma redação irá depender do tipo e do gênero textual exigido. A organização do texto de uma carta, por exemplo, é completamente diferente da formação de um editorial. Como os dois gêneros possuem diferentes linguagens e conteúdos, a maneira como são estruturados também não é a mesma.

Como a redação dissertativa-argumentativa é uma das mais exigidas em concursos, vestibulares e demais exames, como é o caso do Enem, é ela que vamos apresentar logo abaixo!

Estrutura de uma redação dissertativa-argumentativa

Uma redação dissertativa-argumentativa é dividida em três partes: introdução, desenvolvimento e conclusão. Essas três etapas devem ser respeitadas para que o texto não se torne confuso e consiga transmitir, de forma coesa, a ideia que você está querendo repassar.

Como fazer uma introdução?

A introdução é o momento em que você irá apresentar o que será discutido no texto e a sua tese — o que você está defendendo —. É nesse parágrafo único que você deve ajudar o leitor a ter uma visão geral da sua redação e cativá-lo a continuar a leitura.

Você pode realizar diferentes modelos de introdução: apresentar uma citação relevante para o tema, definindo o tema, mostrando um exemplo, fazendo uma alusão histórica, dentre diversos outros.

Como fazer o desenvolvimento de uma redação?

No desenvolvimento, que geralmente é dividido em dois parágrafos, você irá trabalhar os argumentos que defendem a sua tese. O ideal é abordar um argumento por parágrafo.

Para embasar melhor a sua defesa, você pode usar diferentes tipos de argumentos, como pontuar dados científicos, apresentar exemplos ou abordar algum aspecto histórico, por exemplo. 

O principal é que você consiga mostrar, de forma coesa e bem estruturada, porque a sua tese faz sentido. Não adianta jogar um monte de argumentos no seu texto e não desenvolvê-los bem! Escolha aqueles que você tem maior domínio e dedique-se a eles.

Confira algumas formas de apresentar a defesa da sua tese no desenvolvimento da redação:

Utilize dados

Quer uma forma melhor de comprovar o seu ponto de vista do que apresentando dados? Além de fortalecer a sua argumentação, essa é uma estratégia bastante cobrada pelos corretores, já que dá credibilidade à sua defesa.

Nós sabemos que decorar dados não é uma tarefa fácil, ainda mais quando não se sabe qual é o tema de redação que será exigido no Enem. Porém, você pode se contextualizar sobre informações de eixos temáticos que podem ser utilizados para diferentes assuntos, como: meio ambiente, saúde, etc.

Você também pode utilizar os dados apresentados nos textos de apoio, mas com as suas próprias palavras.

O importante é que você esteja em dia com os assuntos da atualidade e procure se contextualizar sobre os possíveis temas. Assim, fica muito mais fácil defender o seu ponto de vista com dados que você realmente conhece.

Use citações

Você já pensou na possibilidade de usar uma citação na redação? Existem dois tipos de citação: a direta e a indireta. Utilizando essa estratégia argumentativa corretamente, você demonstrará o seu conhecimento para o leitor e mostrará que você sabe relacionar bem as ideias.

É claro que você precisa estar seguro sobre o que está dizendo. Afinal, já pensou afirmar que alguém disse algo que, na verdade, foi falado de forma totalmente contrária?

Por isso, a leitura e o seu repertório sociocultural aqui são fundamentais para que você consiga estabelecer boas relações e fundamentar a sua argumentação através da utilização da citação.

Faça alusões históricas

Você também pode fazer alusões históricas para enriquecer a sua argumentação. Nesse caso, você apresentará, durante a argumentação, um acontecimento ou momento histórico relacionado ao tema e que esteja de acordo com o seu ponto de vista.

É óbvio que, para isso, você precisará saber contextualizar bem o momento abordado em sua redação, e aqui entra um aspecto da multidisciplinaridade da redação: o conhecimento acerca de diferentes áreas poderá te ajudar a produzir um texto mais rico e a melhorar a sua argumentação.

Como concluir uma redação?

No caso do Enem, no parágrafo da conclusão você irá apresentar a sua proposta de intervenção e finalizar a sua redação.

A proposta de intervenção trata-se da sua ideia de ação para amenizar ou solucionar o problema abordado durante a redação. Para isso, é muito importante que você tenha em mente que é fundamental respeitar os direitos humanos nessa etapa!

Até 2017, o desrespeito aos direitos humanos era um dos motivos para zerar a redação no Enem. Porém, no final desse mesmo ano, o Tribunal Regional Federal da 1ª Região suspendeu esse item do edital do Exame.

Mas isso não quer dizer que você não precisa continuar se preocupando! A competência V avaliada no Enem diz justamente sobre isso: a criação de uma proposta de intervenção que respeite os direitos humanos. Tenha em mente que ela vale 200 pontos! Você não quer perder tudo isso, né?

Uma dica final para a estruturação do seu texto é: tente manter um número semelhante de linhas em cada parágrafo. Isso ajuda a manter a sua redação esteticamente agradável, o que também irá impactar positivamente em sua nota.


Como estudar redação?

Beleza, até aqui você já entendeu qual é a estrutura de uma redação, ou seja, o que ela minimamente deve conter. Porém, isso não é o suficiente para produzir um texto que te garanta uma boa nota, certo?

Assim como as demais disciplinas, a redação também exige muito estudo e dedicação. Então não se engane! Não dá para só chegar no dia do vestibular e achar que todo o conhecimento e as técnicas para a produção textual  surgirão magicamente em sua mente.

Mas, afinal, como estudar redação? Existem diversas atividades que você pode adotar em sua rotina para se preparar para essa etapa da prova. Mas vamos falar sobre algumas delas de forma prática!

Leitura

A leitura é fundamental para você aumentar o seu repertório sociocultural, melhorar o seu conhecimento gramatical e ampliar a sua capacidade criativa. Não deixe de dedicar algumas horinhas em seu dia a dia para essa atividade!

Treino

Não dá para fugir da prática semanal de redação! O ideal é que você escreva pelo menos dois textos por dia. Porém, dependendo do curso e da universidade em que você deseja entrar, esse número pode aumentar. 

Para os vestibulandos de medicina, por exemplo, sugerimos a produção de uma redação por dia. Apenas assim você conseguirá identificar o que precisa melhorar e acompanhar a evolução do seu desempenho ao longo do tempo.

Correção

Para conseguir, de fato, entender quais pontos você precisa melhorar, é fundamental que as suas redações sejam conhecidas por alguém que conheça e saiba avaliar as 5 competências do Enem. 

Mas você também pode fazer o exercício de se colocar no lugar do corretor e corrigir o seu próprio texto! Isso te deixará cada vez mais criterioso e detalhista em relação às suas próprias produções.

Existem algumas outras práticas que você pode adotar em seu dia a dia e nós falamos melhor sobre elas em nosso artigo sobre como estudar redação. Confere lá!

Como fazer uma boa redação para passar no vestibular?

Não tem segredo: para fazer um bom texto para o vestibular, você precisa entender quais são as exigências da prova, como o seu texto é avaliado, quanto tempo você tem para a realização da redação, quais tipos de temas costumam cair, qual é o gênero exigido, dentre outras informações.

Então, para você ficar por dentro e se sair bem, vamos falar sobre alguns deles?

Redação Enem

Como já citamos algumas vezes ao longo deste artigo, o gênero textual exigido na prova de redação do Enem é o dissertativo-argumentativo. Nele você deverá abordar o tema, apresentar sua tese, defendê-la e inserir a sua proposta de intervenção.

Quais são as principais características de um texto dissertativo-argumentativo?

Algumas das características de um texto dissertativo-argumentativo que você não pode deixar de levar em consideração na sua redação do Enem são:

  • o texto deve ser escrito em linguagem impessoal, em 3ª pessoa;
  • a estrutura é dividida em: introdução, desenvolvimento e conclusão;
  • você deverá apresentar uma tese e argumentos que a defendam;
  • também é necessário apresentar uma proposta de intervenção que respeite os direitos humanos no caso do Enem. Aprenda como fazer uma excelente aqui. Em outros vestibulares, essa não é necessariamente uma exigência;
  • o limite de linhas da folha de redação deve ser respeitado, caso contrário você será penalizado;
  • a definição de um título é opcional no Enem, mas não para todos os vestibulares;

Como funciona a prova de redação do Enem?

A prova de redação do Enem é aplicada no primeiro dia do Exame, juntamente com as avaliações de Linguagens e Ciências Humanas. Neste ano (2019), essa etapa será realizada no dia 3 de novembro.

O tema da redação é sempre uma surpresa até a data da prova. Por isso, é fundamental que você fique por dentro de assuntos da atualidade e pratique a sua escrita e argumentação com diferentes temáticas. Assim, você estará mais preparado para o que virá. 

Ah! Não deixe de conferir os 15 possíveis temas deste ano, de acordo com nossos especialistas.

Junto com o enunciado da redação, são disponibilizados no mínimo 2 textos de apoio, que podem ser notícias, charges, imagens, dentre outros. Você pode utilizar os dados apresentados neles para fundamentar a sua argumentação, mas jamais copiar trechos desses textos.

Como a redação do Enem é avaliada?

Um ponto fundamental para que você consiga produzir um texto de acordo com o que é exigido pelo Enem é saber como ele será avaliado pelos corretores. Então, vamos falar sobre isso?

A avaliação da redação é feita com base na análise das 5 competências do Enem. São elas:

  • Competência I: demonstrar domínio da norma culta da língua portuguesa;
  • Competência II: compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo;
  • Competência III: selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista;
  • Competência IV: demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação;
  • Competência V: elaborar proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural.

Cada uma dessas competências é responsável por 200 pontos da redação. Mas calma, não para por aí! Elas são divididas em 5 níveis, que dirão o quanto você domina cada um dos 5 critérios.

Observando de forma geral, os níveis são os seguintes:

  • o nível desclassificado na competência é atribuído ao candidato que tirar 0 pontos nela;
  • já o nível precário é atribuído para aqueles que alcançarem 40 pontos;
  • quando tira 80 pontos na competência, o nível é insuficiente;
  • o nível é mediano quando o candidato alcança 120 pontos;
  • o nível bom é atribuído para quem tira 160 pontos na competência;
  • por fim, o nível ótimo é atribuído aos candidatos que alcançam 200 pontos.

Mais alguma dúvida sobre a redação do Enem?

Uma dúvida bastante comum em relação à redação do Enem é se é permitido realizar rasuras no texto definitivo. Sim, você pode! Desde que elas estejam de acordo com as regras do Exame para que você não seja penalizado.

A dica aqui é: comece pela redação e organize o seu tempo para se dedicar por cerca de 1 hora a ela. A prova de redação exige muita atenção e que você esteja descansado, já que organizar um texto e apresentar argumentos consistentes não são tarefas fáceis. 

Por isso, sugerimos que você comece por essa etapa enquanto ainda não está com a mente cansada por conta dos exercícios. Assim, você tem menos chances de cometer erros e consegue alcançar um desempenho melhor.

Por último, outro ponto que você não pode se esquecer é: tanto a redação quanto o preenchimento do gabarito devem ser realizados por uma caneta preta e transparente. Leve uma caneta reserva para evitar problemas durante a escrita!

E nada melhor do que se inspirar em que se deu muito bem para fazer a sua redação, certo? Então, que tal conferir 6 exemplos de redações nota 1000 dos últimos anos?

Redação Fuvest

A Universidade de São Paulo (USP) é uma das universidades públicas que não utilizam o Enem como exame de entrada. O seu processo seletivo é realizado pela Fundação Universitária para o Vestibular (Fuvest).

A prova da Fuvest é dividida em duas etapas. A primeira é eliminatória, em que você deverá responder perguntas relacionadas ao núcleo comum do Ensino Médio e da lista de livros selecionados e divulgados no início do ano pela própria Fundação. Essa etapa não conta com uma prova de redação.

Se você passar para a segunda etapa, que tem caráter classificatório, deverá responder perguntas discursivas (ou seja, que você tem que escrever) e fazer uma redação.

A primeira etapa da Fuvest 2020 será realizada no dia 24 de novembro de 2019. Já a segunda etapa acontecerá nos dias 5 e 6 de janeiro de 2020.

Como funciona a prova de redação da Fuvest?

A prova de produção textual da Fuvest é aplicada no primeiro dia da segunda fase e tem valor de 50 pontos. Nesse mesmo dia é aplicado o exame de português, que conta com 10 questões discursivas.

A boa notícia é: a Fuvest também exige uma redação de caráter dissertativo-argumentativo, assim como o Enem. Portanto, estudando e praticando bastante a estrutura desse tipo de texto, você estará preparado para ambos os exames!

A única diferença para a qual você deve ficar atento e estar preparado é de que a prova de redação da Fuvest exige que você defina um título para o seu texto. Inclusive, uma linha é separada apenas para isso no topo da folha definitiva.

Ah, outro ponto importante para você que está acostumado a treinar as redações para o Enem é o seguinte: a Fuvest não exige uma proposta de intervenção para o problema abordado. Fica a seu critério inseri-la ou não em sua redação.

Os critérios de avaliação da redação Fuvest são um pouco diferentes das competências do Enem. Confira quais são eles:

  1. desenvolvimento do tema e organização do texto dissertativo-argumentativo;
  2. coerência dos argumentos e articulação das partes do texto;
  3. correção gramatical e adequação vocabular.


Redação Unesp

A Universidade Estadual Paulista também não utiliza o Enem como processo seletivo para a entrada de novos estudantes, e sim um vestibular próprio.

Assim como a Fuvest, a avaliação da Unesp é realizada em duas etapas: a primeira de caráter eliminatório e a segunda de caráter classificatório.

Na primeira etapa, você deverá responder 90 questões de múltipla escolha sobre linguagens e códigos, ciências humanas, ciências da natureza e matemática. A primeira etapa da Unesp 2020 acontecerá no dia 15 de novembro de 2019.

Passando para a segunda etapa, você deverá responder 24 questões discursivas sobre ciências humanas, ciências da natureza e matemática no primeiro dia — que será em 15 de dezembro de 2019 — e 12 questões discursivas sobre linguagens e códigos e fazer uma redação no segundo dia — que será em 16 de novembro de 2019.

Como funciona a prova de redação da Unesp?

A prova de produção textual da Unesp também exige a construção de um texto dissertativo-argumentativo! Ufa, né?

Assim como na Fuvest, a inserção de uma proposta de intervenção para o problema abordado não é uma exigência. Por outro lado, o título não é considerado na avaliação do texto, de acordo com o edital da própria Unesp.

Você terá 4h30 para responder às questões do dia e fazer a redação. Por isso, organize bem o seu tempo e, mais uma vez, faça a redação primeiro! Assim, você garante que está descansado para essa atividade que exige tanto.

Segundo o edital da Unesp, os critérios para a correção da redação são os seguintes:

  • tema (adequação ao tema proposto);
  • estrutura (gênero/tipo de texto e coerência);
  • expressão (coesão e domínio da norma-padrão da língua portuguesa).

 

Como desenvolver uma boa redação?

Agora que você já sabe o que é uma redação, quais são os seus objetivos, seus tipos e os gêneros textuais existentes, já deve estar ansioso para a parte prática, certo?

Então, vamos às dicas para você colocar a mão na massa e fazer um texto excelente!

1. Leia bastante

Se você já está estudando sobre como fazer uma boa redação há um tempo, pode ser que ache essa dica um tanto quanto clichê. Mas reforçá-la é extremamente necessário, já que a leitura tem um impacto direto em sua escrita!

Desde o processo criativo até a organização de um texto adequado, que atenda às normas cultas da língua portuguesa e apresente argumentos consistentes, a leitura é um hábito fundamental para você alcançar bons resultados.

Quer saber por quê? Com a leitura você conseguirá:

  • aumentar o seu repertório sociocultural;
  • assimilar melhor o seu aprendizado acerca das normas cultas da língua portuguesa;
  • adquirir conhecimentos para produzir melhores argumentos;
  • saber como estruturar diferentes tipos e gêneros textuais;
  • ter mais inspiração para escrever;
  • conhecer citações que podem ser realizadas em seu texto e muito mais!

E nós não estamos falando apenas da leitura de livros! Vale tudo: jornais, revistas, blogs, exemplos de textos nota 1000, etc. O importante é que você se dedique um pouco a essa atividade todos os dias.

2. Faça um esqueleto do seu texto

Antes de começar a produção do texto em si, organize quais tópicos você irá abordar, argumentos que serão trabalhados e dados que serão inseridos.

Isso te ajudará a produzir o texto mais rapidamente, a fazer uma boa organização das ideias e a não esquecer de nada importante! Afinal, você já percebeu que quando estamos muito entretidos em algo acabamos nos esquecendo de informações essenciais às vezes?

Organizar um esqueleto do seu texto não quer dizer que você não pode acabar seguindo uma direção um pouco diferente durante a sua produção. Porém, essa estrutura irá ajudá-lo a ganhar tempo e a ter uma visão ampla antes do que você está dizendo antes mesmo de começar a redação.

3. Seja objetivo

Não se perca em divagações em seu texto! Além de correr o risco de fugir do tema e acabar ultrapassando o número de linhas, a famosa “encheção de linguiça”, utilizando palavras muito rebuscadas e informações desnecessárias, só irá causar uma má experiência na leitura do seu texto, podendo até mesmo deixar o seu leitor entediado.

Principalmente quando se trata de vestibular, seja conciso e transmita informações realmente relevantes

Dedique-se a uma boa argumentação para convencer o leitor de que a sua tese faz sentido, o que não quer dizer que você precisa ter um texto “difícil” ou maior do que o necessário.

4. Releia o seu texto

Não adianta, na pressa de colocar as ideias no papel e estar dentro do tempo separado para a redação, acabamos deixando passar um erro ou outro. Então, não cometa o deslize de deixar de revisar a versão final de sua redação!

Essa última análise do seu texto servirá para você reparar pequenos desvios que podem ter passado despercebidos e a melhorar um trecho ou outro. Se preferir, antes de fazer essa última revisão, saia para beber uma água ou ir ao banheiro e voltar com a mente mais “fresca”.

5. Pratique muito!

Não adianta colocar em prática todas as dicas que citamos aqui até agora se você não praticar! A leitura, por exemplo, não é o que definirá o seu modo de escrever ou até o tempo que você leva para produzir uma redação. A prática é essencial para que você conheça o seu processo, saiba quais são os seus pontos fortes e o que precisa melhorar.

O seu treino será ainda mais eficiente se você contar com uma correção das suas redações de acordo com os critérios avaliados nos vestibulares. Assim, você saberá exatamente como desenvolver melhor a sua escrita e o que fazer para alcançar a nota 1000!

O que é estética textual e por que ela é importante?

Agora você já tem muitas informações em mãos para estudar melhor e fazer uma excelente redação no dia da prova! Porém, existe um fator que nós não nos aprofundamos aqui ainda e que é fundamental que você tenha atenção: a estética textual.

A estética textual está relacionada à forma como você apresenta o seu texto. Você pode perguntar: mas por que vocês estão falando sobre isso se esse nem é um critério de avaliação da redação?

É aí que você se engana! Apesar de não estar evidente entre as competências analisadas no Enem, por exemplo, a estética textual é um elemento que certamente impactará em sua nota.

Afinal, ninguém merece receber um texto difícil de ler e desorganizado, certo? Imagine que você é um corretor, analisando cerca de 100 redações por dia. Você ficaria satisfeito se tivesse dificuldade com a letra, a organização dos parágrafos ou até mesmo com a enorme quantidade de rasuras em um dos textos? Não, né?

Portanto, a estética textual é fundamental para tornar a leitura da sua redação mais fluida e agradável, aumentando, consideravelmente, as suas chances de conseguir uma boa pontuação.

Fazer uma letra legível é fundamental para a apresentação da sua redação, mas não é só isso. Você também precisa ficar atento a outros aspectos, como tamanho dos parágrafos, espaçamento e recuo. 

Quer saber mais? Nós falamos sobre 10 dicas para você se dar bem em nosso artigo sobre estética textual!


Quais são os principais erros de redação?

Você não quer cair nos mesmos erros que grande parte dos candidatos caem na redação, certo? Muitos dos equívocos na redação acabam passando despercebidos, então é importante que você os conheça para ficar atento enquanto estiver escrevendo.

Engana-se quem acredita que entre os erros mais cometidos está apenas aqueles relacionados à gramática! Essa é uma área que, de fato, muitos candidatos acabam deixando a desejar. Porém, várias pessoas também acabam se equivocando em relação ao aprofundamento da argumentação e aos elementos necessários na proposta de intervenção, por exemplo.

Dentre os erros mais cometidos, estão:

  • ausência ou uso errado da vírgula;
  • erros ortográficos;
  • ausência ou repetição de conectivos;
  • falta de detalhamento e de modo/meio na proposta de intervenção;
  • falta de profundidade nos argumentos e da utilização de dados;
  • erros de acentuação.

Quer entender melhor sobre esses erros e como não cometê-los em sua própria redação? Nós preparamos um artigo sobre os 10 equívocos mais cometidos com dicas e vídeos para você fugir de todos eles. Confira!

E aí, já está começando a se sentir no caminho para a nota 1000 na redação? Existem plataformas que podem te ajudar nessa tarefa! A Imaginie, por exemplo, disponibiliza diversos possíveis temas de redação para que você possa treinar a sua escrita.

Então, gostou de aprender mais sobre redação? Conseguiu esclarecer todas as suas dúvidas? Agora, vamos praticar? Faça o seu cadastro gratuito na plataforma Imaginie clicando aqui!

Banner para cadastro na plataforma da Imaginie, direcionando para o link: https://app.imaginie.com/pt-br/accounts/register/?utm_source=blog&utm_medium=post-redacao&utm_campaign=cadastro-na-plataforma&utm_content=banner

Vamos debater sobre?

Deixe uma resposta

Rua Bernardo Guimarães, 2129 - Lourdes, Belo Horizonte - MG, 30140-087. Telefone: (31) 3517-1717

Copyright © 2015 Imaginie | Made in #SanPedroValley and Utah.