O que é sisu: fotografia de dois estudantes usando o notebook.

Entenda o que é Sisu e como ele funciona

Roberta Firmino Enem e vestibulares

Nós sabemos que, atualmente, o Enem é a maior prova do país e uma das maiores do mundo. Ele é responsável pela entrada de centenas de estudantes em universidades públicas de todo o Brasil!

Mas, afinal, como a seleção desses estudantes acontece? Bom, existe um sistema para isso: o Sisu. 

Ainda não conhece a plataforma e nem sabe como ela funciona? Não se preocupe! Explicamos o que é Sisu e outras informações no artigo de hoje. Confira!

O que é Sisu?

O Sistema de Seleção Unificada, conhecido como Sisu, é uma plataforma digital desenvolvida pelo Ministério da Educação (MEC). Por meio dele, os estudantes podem se candidatar aos mais diversos cursos em universidades públicas utilizando a nota do Enem.

Anualmente, são feitas 2 edições do Sisu: uma para entrada nas universidades no início do ano e outra para o segundo semestre. A plataforma fica aberta para receber as inscrições durante 4 dias e a classificação dos candidatos é feita de forma totalmente automatizada, seguindo a pontuação do Enem.

Como surgiu o Sisu?

O Sisu começou a funcionar em janeiro de 2010, como uma iniciativa do MEC durante o governo do ex-presidente Lula. 

O sistema surgiu após uma reformulação do Enem em 2009, quando o Exame passou a funcionar como um vestibular unificado. Na época, a quantidade de questões passou de 63 para 200, mantendo a redação. Além disso, as provas deixaram de ser aplicadas em apenas 1 dia e passaram a ser realizadas em 2.

Então, já em 2010, quando foi lançado, o Sisu começou a usar a nota do Enem para possibilitar a entrada de centenas de estudantes em universidades públicas.

Desde então, o número de vagas ofertadas só vêm aumentando. Para você ter uma noção, foram ofertadas 253.476 vagas em 129 universidades no primeiro semestre de 2019 pela plataforma!

Como funciona o Sisu

As universidades apresentam, por meio do Sisu, a quantidade de vagas disponíveis em cada curso. Mas atenção: em alguns cursos esse é o único processo pelo qual você tem que passar para conseguir a vaga e em outros existem mais etapas, como provas específicas. Por isso, pesquise sobre o curso e a universidade que você quer entrar para não perder as datas certas e não cometer erros!

Quando as inscrições para o Sistema abrem, os candidatos podem escolher uma opção primária e uma opção secundária de curso. Durante os dias em que as inscrições estão abertas, você pode mudar suas opções de curso e universidade. Porém, só a última inscrição que você confirmar será considerada válida.

O Sistema classifica os candidatos a partir das pontuações no Enem, levando em consideração que alguns cursos utilizam a média das notas de todas as provas para isso e outras acrescentam pesos diferenciados a elas.

Nesse sentido, o último candidato classificado, ou seja, a última pessoa selecionada a partir do número de vagas ofertadas determina qual é a nota de corte. Ou seja, a nota de corte é a pontuação mínima para a entrada no curso na primeira chamada.

Ficou confuso? Veja um exemplo:

Em uma edição do Sisu, uma universidade disponibiliza 40 vagas para entrada no curso de ciências biológicas. A pontuação é calculada a partir da média da nota de todas as provas do Enem.

Quando as inscrições do Sisu fecharam, o inscrito que ficou em 40º lugar para essa vaga alcançou uma média de 520. Então, isso quer dizer que essa foi a nota de corte nessa situação.

Porém, como os candidatos podem alterar as inscrições até o último dia em que elas estão abertas, a nota de corte e, consequentemente, a sua classificação, podem mudar. Por isso é tão importante ficar atento a essas variações, principalmente no último dia!

Entretanto, mesmo que você não seja classificado a princípio, ainda tem chance de ser convocado nas próximas chamadas se optar por ficar na lista de espera pelo próprio Sistema.

Mas atenção para uma informação importante: até 2018, você podia desistir da sua segunda opção caso tivesse sido classificado apenas nela para ficar na lista de espera da primeira opção de curso.

Agora isso não é mais possível. Desde o primeiro semestre de 2019, os estudantes convocados na primeira chamada de uma das opções de curso não têm mais direito de optar por ficar na lista de espera da outra.

Caso você não seja selecionado em nenhuma das opções, poderá escolher uma delas para ficar na lista de espera.

Quem pode participar do Sisu

Para participar do Sisu, você precisa:

  • ter feito o Enem no ano anterior;
  • não ter tirado nota 0 na redação;
  • não ter feito o Enem como treineiro.

Por isso, é fundamental ficar de olho também nas informações e cronograma do Enem, ok?

Além disso, algumas instituições optam por inserir uma nota mínima para a inscrição em seus cursos. Se você não tiver alcançado essa pontuação, receberá uma mensagem do próprio Sistema ao tentar se inscrever.

Fique atento: a classificação no Sisu, cuja inscrição é gratuita e exige apenas o seu login e senha de acesso à página do participante do Enem, não garante a sua vaga no curso. Após ser classificado, você deve seguir todas as orientações disponibilizadas pela universidade que você escolheu para fazer a sua matrícula nos prazos certos!

E aí, conseguiu entender o que é Sisu e como ele funciona? Aproveite para conferir agora como funciona a pontuação do Enem que é utilizada para você ser classificado no curso dos seus sonhos!

Vamos debater sobre?